26 setembro 2013

(...) repara no silêncio, é quase branco. Há muito tempo que ninguém se demorou a contemplar os breves instrumentos do verão.
Eugénio de Andrade

12 setembro 2013

Evadir-me, esquecer-me, regressar à frescura das coisas vegetais, ao verde flutuante dos pinhais percorridos de seivas virginais...